Segundo a lógica dos 'Bolsominios' o Carnaval é uma festa com viés de Esquerda

Para justificar as atitudes de Bolsonaro alguns de seus apoiadores tentam desmerecer a própria festa, uma das formas de tentar diminuir a importância do Carnaval no país é dizer que ele se tornou uma festa com viés ideológico desvirtuada pela Esquerda. E foi nessa linha de pensamento que o Chefe do Estado brasileiro comentou a própria publicação com cenas pornográficas, sem tratar como um caso isolado, preferindo generalizar a prática e atribuindo aos blocos de rua de todo o Brasil. 
Resultado de imagem para bolsonaro chuva de prata charge
O Presidente da República, aquele deveria defender os interesses da industria do turismo no Brasil, atacou a festa mais popular do Brasil e expôs cenas obscenas de alguns indivíduos como sendo uma prática comum nos blocos de rua pelo país. Antes disso já tinha entrado em atrito nas redes sociais com a cantora baiana Daniela Mercury acusando ela e outros artistas de "viver" da Lei Rouanet. 

A festa popular teve em vários cantos do país momentos de críticas ao mandatário brasileiro, marchinhas e palavras de ordem foram ouvidos de norte a sul e o Presidente parece ter acompanhado tudo o que acontecia nos dias de Momo via redes sociais. Para chamar a atenção e minimizar as "ofensas" ele lançou sem sucesso, via Twitter, uma operação Lava jato no MEC. Criticou artistas e por fim publicou um vídeo pornográfico atacando o próprio Carnaval.
Resultado de imagem para chuva de prata bolsonaro
O texto que segue foi publicado no New York Times e dá bem para ver a ótica dos americanos em relação a tudo isso que aconteceu e o andamento do governo em pouco mais de 60 dias.

"Enquanto milhões de brasileiros aproveitavam as últimas horas do carnaval, Jair Bolsonaro, presidente da extrema-direita do Brasil, denunciou o que ele disse ser o deboche das festividades, e publicou um vídeo no Twitter que ele apresentou como prova gráfica.

"Não me sinto confortável mostrando isso, mas temos que expor a verdade para que as pessoas possam estar cientes" , escreveu o presidente ao lado de um vídeo que ele postou mostrando um homem urinando em outro em público. “É assim que muitas festas de rua durante o Carnaval se transformaram.”

O vídeo mostra um homem, vestindo uma jockstrap preta, dançando no que parece ser um ponto de ônibus. A certa altura, um segundo homem urina na cabeça do homem na meia-calça. Bolsonaro pediu a seus 3,4 milhões de seguidores no Twitter que tirem suas próprias conclusões e comentem o vídeo.

Embora Bolsonaro tenha dito que o vídeo representou um tipo de comportamento que é cada vez mais comum durante o Carnaval - uma instituição cultural aclamada, embora hedonista e emburrecida, no Brasil - as reações dos brasileiros que discordaram apareceram.

"Você é patético", respondeu o senador Humberto Costa ao presidente no Twitter , observando que muitos dos foliões do carnaval deste ano parodiaram e assaram Bolsonaro com seus cantos e fantasias. “Todo o Brasil está nas ruas se opondo a você. Este carnaval deixou isso claro ”.

A cientista política Mara Telles sugeriu que o cargo do presidente pode ter violado a lei que proíbe os funcionários eleitos de agirem de uma maneira que é “incompatível com a dignidade, honra e decoro do escritório”.

O jornalista Fábio Pannunzio repreendeu Bolsonaro por expor sua neta de 6 anos e um número incontável de outras crianças brasileiras ao vídeo, exigindo: “Quero ver como o presidente da nação vai explicar o que viu”. acrescentou: "Você precisa de ajuda médica com urgência".

Para ter certeza, o Sr. Bolsonaro recebeu muitas respostas de atitudes de apoiadores fiéis.

"Parabéns presidente por denunciar um crime de indecência", escreveu um usuário do Twitter chamado Marcos Teixeira. “A polícia deveria ter prendido esses delinquentes. A devassidão deve ser contida em lugares privados.

As festas de rua conhecidas como blocos, que o presidente almejava, tendem a ser assuntos turbulentos. Há uma abundância de fantasias sexualmente sugestivas e não há escassez de demonstrações públicas de afeto. Mas a cena destacada por Bolsonaro seria uma aberração se de fato ocorresse durante um bloco recente.

Não ficou claro onde o Sr. Bolsonaro encontrou o vídeo, onde foi filmado ou quando. Assessores de imprensa do gabinete presidencial disseram que o presidente passou o feriado do carnaval em sua residência oficial, mas não respondeu perguntas sobre o vídeo.

Mas aqui está uma mais profunda: o que isso tudo nos diz sobre o início da era de Bolsonaro?

Para começar, ficou evidente que Bolsonaro não é menos impulsivo com suas contas de mídia social como Presidente do que como candidato. Assessores e associados expressaram desconforto que, como presidente, ele continua a conduzir negócios através do WhatsApp.

Talvez mais significativamente, o post sinaliza que Bolsonaro vê valor em estimular debates sociais sobre orientação sexual e moralidade que turbocharam sua ascensão ao poder.

Como candidato, Bolsonaro foi investigado por uma longa lista de comentários que denotam mulheres, negros, gays e indígenas. Uma das mensagens mais eficazes - embora infundadas - de sua campanha foi que o Partido dos Trabalhadores, de esquerda, tinha planos de sexualizar as crianças.

Malu Gaspar, jornalista da revista Piauí, disse estar perplexo e entristecido pelo post no Twitter e pela controvérsia que desencadeou. No momento em que os investidores estão tentando avaliar se o Brasil de Bolsonaro é uma aposta válida, incidentes como esses certamente minarão a confiança no país e transformarão o país em uma piada, disse ela.

"É embaraçoso que todos acordem falando sobre como o presidente do Brasil postou um vídeo de alguém fazendo xixi em outra pessoa", disse Gaspar em uma entrevista. "Eu acho que isso diminui a presidência."

Na manhã de quarta-feira, algumas das tendências hashtags no Twitter no Brasil incluem #ImpeachmentBolsonaro, #GoldenShowerPresident e #BolsonaroTemRazão, que significa "Bolsonaro está certo".

Um desses parece ter confundido o líder do Brasil.

"O que é uma chuva de ouro?", Perguntou Bolsonaro a seus seguidores em uma mensagem postada pouco antes das 7h30."

De Ernesto Londoño/ The New York Times

Segundo a lógica dos 'Bolsominios' o Carnaval é uma festa com viés de Esquerda

Comentários