Paulo Guedes diz que políticos entenderam que reforma da Previdência é inadiável

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que os agentes públicos estão comprometidos com a reforma da Previdência. Em entrevista à Empresa Brasil de Comunicação (EBC), nesta noite, Guedes afirmou que se reuniu com parlamentares, prefeitos e governadores, e as sinalizações em relação à proposta enviada hoje (20) ao Congresso são positivas.



"A classe política percebeu que é incontornável a necessidade dessa reforma", afirmou Guedes, destacando que, além do governo federal, as prefeituras e os governos estaduais estão com problemas orçamentários. "Isso não é mais adiável. Estamos realmente sob ameaça de perdermos as aposentadorias que existem hoje. Essa percepção da classe política é muito encorajadora", ressaltou.

Guedes lembrou que a reforma da Previdência vem sendo adiada há décadas. "Eu acredito que chegou a hora da nova Previdência porque há um amadurecimento muito grande da matéria. Pode haver um detalhe para cá, outro para lá, que serão muito bem-vindos. Nas discussões temos recebido contribuições excelentes", afirmou.

Para o ministro, a proposta do governo está focada na população brasileira. "Naturalmente existem 6,7,8 milhões de privilegiados, que estão sendo atingidos pela reforma, têm mais força corporativa ou tiveram no passado, que dizem que [direitos] estão sendo ameaçados. Na verdade, os privilégios estão sob ameaça", argumentou.

Segundo Guedes, se for aprovado o texto do governo, sem alterações, a economia nos próximos 10 anos será de R$ 1,2 trilhão. "As primeiras conversas foram extraordinariamente encorajadoras. O Congresso parece bastante maduro em relação à necessidade da nova Previdência", afirmou. "Será uma surpresa muito grande se mexerem muito no projeto."

Guedes afirmou que cada ponto mudado impactará na economia prevista. "Estaremos sacando contra filhos e netos", afirmou. "Passou a fase da demagogia, de dizer que a reforma da Previdência era contra os mais pobre, porque não é verdade: ela remove privilégios, reduz desigualdades e visa garantir não só as aposentadorias existentes hoje, mas o emprego e as aposentadorias das gerações futuras."

>> Veja os principais pontos da reforma da Previdência

O texto do governo, conforme o ministro, estabelece a convergência dos regimes previdenciários existentes no país, partindo de pontos diferentes, mas chegando a um sistema de aposentadoria menos desigual. "Esse é o caminho para colocar o Brasil a crescer e reduzir as desigualdades", afirmou.

Guedes disse que as manifestações dos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), foram positivas, e ambos se mostraram comprometidos com as reformas necessárias ao crescimento da economia brasileira. "Estou muito entusiasmado com o funcionamento das nossas instituições porque isso está muito acima de partidos", afirmou.

A expectativa do ministro é que a reforma da Previdência seja aprovada logo no Congresso. "Quanto mais rápido aprovarmos mais rapidamente desaparecem as nuvens negras no horizonte fiscal brasileiro", afirmou Guedes, citando os exemplos de Portugal e Grécia.

Reunião com STF
O ministro Paulo Guedes se reuniu no início da noite com o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, e demais integrantes da Corte. O encontro ocorreu no gabinete de Toffoli e durou cerca de duas horas. 

De acordo com a assessoria do STF, a reunião foi uma visita institucional na qual foram discutidos diversos temas, entre eles, a reforma da Previdência, o cumprimento da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) e a atual conjuntura econômica do país. 
O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, se reúne com o ministro da Economia, Paulo Guedes, no STF.
Também participaram do encontro o secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, o procurador da Fazenda Nacional, José Levi do Amaral, além dos ministros da Corte Gilmar Mendes, Luís Roberto Barroso, Edson Fachin e Alexandre de Moraes.
Paulo Guedes diz que políticos entenderam que reforma da Previdência é inadiável

Comentários