Estados Unidos e Israel oficializam saída da Unesco

Com a chegada de 2019, os Estados Unidos e Israel oficializaram sua saída da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).
Hebron — Foto: Associated PressA decisão de deixar a instituição, que faz parte do sistema das Nações Unidas, foi anunciada em 2017, mas ganha efeito concreto a partir de hoje (1º). De acordo a rede pública alemã Deutsche Welle, os governos dos dois países justificaram a decisão citando o que alegam ser um viés contrário a Israel e suas políticas adotado pela organização.

Na ocasião do anúncio, o governo dos Estados Unidos divulgou comunicado mencionando o que chamou de “viés contínuo anti-Israel da Unesco” e a “necessidade de reformas na Instituição”. No comunicado, a administração Trump disse que continuaria acompanhando os trabalhos do órgão, mas na condição de observador não membro.

Logo após a notícia, a diretora-geral da Unesco, Irina Bokova, lamentou a decisão. “No momento em que a luta contra o extremismo violento exige um renovado investimento na educação, no diálogo entre as culturas para evitar o ódio, é profundamente lamentável que os Estados Unidos se retirem da agência das Nações Unidas que lidera essas questões”, disse, em comunicado oficial.

A controvérsia entre as duas nações e a instituição vem desde o início da década. Em 2011, a Unesco reconheceu a Palestina como Estado independente. Naquele ano, os Estados Unidos pararam de repassar as cotas como Estado-membro. Desde então, o país está na condição de integrante da Unesco, mas sem exercício de voto por não contribuir financeiramente com a instituição.

Segundo a Deutsche Welle, o governo de Israel também reduziu os repasses de recursos às Nações Unidas, especialmente após decisões da Unesco relacionadas a locais reconhecidos como patrimônios do povo palestino.

Comentários