Liminar do STF pró Lula desvia a atenção do caso COAF! Ex-assessor de Flávio Bolsonaro não comparece a depoimento no MP

O ex-motorista do deputado estadual e senador eleito Flávio Bolsonaro, Fabrício José Carlos Queiroz, não compareceu ao depoimento no Ministério Público Estadual do Rio (MPRJ), onde era aguardado na tarde desta quarta-feira (19). A informação foi dada a jornalistas pelo procurador-geral de Justiça do Rio de Janeiro, Eduardo Gussem. Os advogados de Fabrício informaram ao MPRJ que "não tiveram tempo hábil para analisar os autos da investigação" e pediram cópias dos documentos, além de terem justificado a ausência de Fabrício ao órgão por conta de uma "inesperada crise de saúde" dele.
O depoimento do ex-assessor de Fávio Bolsonaro foi remarcado pela Procuradoria-Geral de Justiça para sexta-feira (21), a partir das 14h, ainda de acordo com o MPRJ. O nome de Fabrício Queiroz aparece no relatório do Coaf que integrou a investigação da Operação Furna da Onça, um desdobramento da Lava Jato no Rio de Janeiro.
Segundo as informações do documento, ele movimentou R$ 1,2 milhão em uma conta bancária durante um ano. Na época, recebia salário de R$ 23 mil por mês. As transações foram consideradas atípicas. Ainda conforme o relatório, ele repassou R$ 24 mil para Michelle Bolsonaro, futura primeira-dama. Sobre este pagamento, o presidente eleito afirmou que era a quitação de um empréstimo de R$ 40 mil feito por ele a Queiroz.
O ex-assessor foi exonerado do gabinete de Flávio Bolsonaro em outubro e ganhava R$ 23 mil por mês. Ele era motorista de Flávio Bolsonaro e também tinha vínculo com a Polícia Militar. O deputado Flávio Bolsonaro, que se elegeu senador e não é investigado, afirma que não fez "nada de errado" e que espera que o caso seja esclarecido.

Comentários