O mundo desabando para os Bolsonaro por conta do Queiroz e a PGR resolve provocar "rachadinha" na Lava Jato

Em meio ao embate entre o ex-ministro Sérgio Moro e o presidente Jair Bolsonaro tem, além dos egos exacerbados, toda a estrutura do estado brasileiro à favor de um e que pode ser colocada contra o outro a qualquer momento. A Procuradoria Geral da República tem suas competências e prerrogativas bem definidas, mas para muitos Augusto Aras tem agido muito mais como advogado dos Bolsonaro do que como Procurador Geral.
As peças do quebra-cabeça da PF: Quem está sendo ouvido no ...
Não chega a ser segredo para ninguém que Aras e Moro andaram se estranhando desde que o então ministro pediu demissão, com direito a troca de farpas pela imprensa e acusação de Sérgio Moro de que o PGR estaria querendo intimida-lo. A ida de alguém ligado a Augusto Aras à Curitiba levanta a "lebre" de que o objetivo é saber quais foram os passos do ex-juiz e, se ele pisou em falso em algum deles.

Fernando Brito escreveu:

A fumaça levantada pela incursão de uma representante do Procurador Geral da República aos intestinos da Operação Lava Jato já ateou um pequeno – por enquanto – incêndio no Ministério Público Federal, com o pedido de afastamento do grupo de procuradores que atuava na Lava Jato.

Só mesmo um quisto que se tornou “intocável” dentro do Ministério Público poderia se comportar assim diante de uma verificação – que deveria ser rotineira – da própria instituição. E que possam existir, em processos que são públicos, exceto quando os autos são, excepcionalmente, postos sob segredo de Justiça pelo juiz da ação, óbices ao conhecimento de como foram obtidas provas e informações pelos procuradores.

Dizem as notícias que os procuradores da Lava Jato suspeitam que a investigação de Brasília seja uma forma de tentar atingir Sergio Moro, agora que ele se tornou desafeto do bolsonarismo. Estranho: no processo penal, como é o caso, o Ministério Público é parte e, portanto, tem de guardar distância do juiz da causa e, claro, vice-versa.

Será medo de que haja provas – e não só indícios – de que houve promiscuidade entre promotores e juiz? Mais provas, aliás, porque os diálogos do The Intercept mostram que a associação para condenar, ali, era total.
Fonte: A Lava Jato está rachadinha. Por Fernando Brito

Comentários

Questão Brasil - 09/04/2019