Juiz quebra sigilos de mais oito no caso Flávio Bolsonaro e refaz decisão

O juiz tinha recebido críticas por aceitar pedido do MP para quebrar tantos sigilos ao mesmo tempo. Pois bem, o magistrado reviu sua decisão e resolveu incluir mais nomes que haviam ficado de fora na primeira quebra.
Além do volume movimentado, chamou a atenção a forma com que as operações se davam: depósitos e saques em dinheiro vivo. As transações ocorriam em data próxima do pagamento de servidores da Assembleia, onde Flávio exerceu o mandato de deputado por 16 anos (2003-2018) até ser eleito senador.

Queiroz afirmou que recebia parte dos valores dos salários dos colegas de gabinete. Ele diz que usava esse dinheiro para remunerar assessores informais de Flávio, sem o conhecimento do então deputado. O posicionamento da defesa de Queiroz é a base para o pedido de quebra de sigilo de todos os funcionários de Flávio que passaram pelo gabinete nesse período.

Comentários

Questão Brasil - 09/04/2019