Quebras de sigilo no caso Flávio Bolsonaro atingem tesoureiras do PSL do Rio

Duas tesoureiras do diretório estadual do PSL no Rio de Janeiro, presidido pelo senador Flávio Bolsonaro , tiveram sigilo fiscal e bancário quebrado na investigação do Ministério Público (MP-RJ) para apurar indícios da prática de “rachadinha” — isto é, a devolução de parte do salário pago a assessores, no gabinete do então deputado estadual entre 2007 e 2018.
No Instagram, Flávio e Jair Bolsonaro, ao lado dos irmãos Valdenice, Alex e Alan Foto: Reprodução/Instagram
Valdenice de Oliveira Meliga, tesoureira-geral do partido nas últimas eleições, e Alessandra Cristina Ferreira de Oliveira, atual primeira-tesoureira, foram incluídas no pedido do MP por sua atuação como assessoras de Flávio na liderança do PSL na Alerj no último ano, período em que acumulavam ainda a responsabilidade pelas contas do partido.

O PSL fluminense só entregou sua prestação de contas referente a 2018 nesta segunda-feira, 20 dias depois do esgotamento do prazo determinado por lei. O Tribunal Regional Eleitoral do Rio (TRE-RJ) havia notificado a legenda sobre o atraso na entrega, no último dia 13, e aberto novo prazo de 72h para “suprir a omissão apontada”.

PROCURAÇÃO – Val Meliga foi afastada do cargo de tesoureira-geral no diretório estadual do PSL em março. Dona da empresa Meliga Produções e Eventos, Val tinha procuração para assinar cheques da campanha de Flávio Bolsonaro ao Senado. A prestação de contas do PSL aponta que o partido contratou, em setembro, Renan Meliga Soncini dos Santos, sobrinho do marido de Val, para serviços de locação de veículos, por R$ 7,5 mil. O documento aponta que um dos cheques enviados pelo partido a Renan retornou por “divergência de assinatura”.

Val também é irmã de Alan e Alex Rodrigues de Oliveira, presos na Operação Quarto Elemento do MPRJ, em agosto passado, que mirou policiais acusados de extorsão e atuando como milicianos.

DUPLA FUNÇÃO – Alessandra segue como primeira-tesoureira do partido. Ela foi a responsável pela contabilidade do diretório estadual do PSL nas eleições de 2018 e prestou serviço durante a campanha, através da Ale Soluções e Eventos, para 41 candidatos, incluindo Flávio Bolsonaro. No caso de 26 dessas candidatas, todas mulheres, a arrecadação de campanha girou em torno de R$ 2,8 mil e R$ 5,8 mil, boa parte proveniente de doações do partido.

Alessandra prestou serviços de contabilidade para todas elas por R$ 750 e recebeu, na prática, parte da verba disponibilizada pelo PSL às candidatas.

O Globo não conseguiu localizar Val e Alessandra para comentar a quebra de sigilo. Ambas têm escritórios localizados ao lado da sala do diretório estadual do PSL no Recreio, em um prédio no bairro da Zona Oeste do Rio. Parlamentares da sigla no estado reclamam da autonomia dada por Flávio Bolsonaro a Val.

HD QUEIMADO – Na explicação enviada ao TRE sobre o atraso na prestação de contas de 2018, o PSL argumentou que as fortes chuvas e ventos no Rio no dia 28 de abril causaram “picos de luz no bairro onde se localiza o escritório”, provocando a queima do HD onde estavam armazenadas as informações.

A nota, assinada pelo advogado Luiz Gustavo Botto Maia, justifica que uma empresa de TI contratada não conseguiu recuperar totalmente os arquivos, exigindo do partido “refazer um trabalho que já estava pronto”.

A nota fiscal pelo serviço da empresa de TI foi emitida em nome da Ale Solução e Eventos LTDA, empresa de Alessandra, com sede declarada em Vargem Pequena, na Zona Oeste do Rio.

Anteriormente, Alessandra chegou a informar à Justiça Eleitoral que sua empresa era localizada na mesma sala que o diretório estadual do PSL no Recreio.

###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG – A situação se complica cada vez mais, porque o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) se mostra muito descuidado com referência a contas. Seja no gabinete da Assembleia, na contabilidade da campanha eleitoral e nos negócios particulares de compra e venda de imóveis, registra-se o mesmo comportamento atípico do filho Zero Um do presidente. (C.N.)
Bernardo Mello e Juliana Dal Piva/ O Globo


TRIBUNA DA INTERNET | Quebras de sigilo no caso Flávio Bolsonaro atingem tesoureiras do PSL do Rio

Comentários

Questão Brasil - 09/04/2019