IBGE anuncia redução de 25% no orçamento do Censo Demográfico

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) anunciou nesta quarta-feira (10) o objetivo de “realizar um Censo menos custoso” em 2020. Para isso, revisa o orçamento da pesquisa a fim de reduzir em cerca de 25% os gastos inicialmente previstos. Todavia, que vai “garantir a qualidade” do mapeamento “sem perda de informação”.
O corte no orçamento do Censo Demográfico de 2020 foi antecipado em reportagem do jornal Valor Econômico, que destacou pressão sobre o IBGE diante das restrições orçamentárias exigidas pelo governo federal. Segundo o jornal, o orçamento inicial da megaoperação estava estimada em R$ 3,4 bilhões.

Em nota, o IBGE confirmou a redução orçamentária. “No Governo Federal como um todo, a diretriz é de restrições orçamentárias e a realização do Censo requer a aprovação de orçamento pela União”, destacou o órgão no comunicado enviado à imprensa.

“A operação está sendo revista, de modo a ter um custo cerca de 25% menor que a previsão inicial. Com isso, torna-se necessário ajustar os questionários, de modo que se possa eleger que informações fundamentais devem ser pesquisadas no Censo e quais podem ser obtidas por outras pesquisas amostrais. Não haverá perda de informações”, informou o instituto.

O IBGE enfatizou, ainda, que “eventuais alterações no questionário só serão implementadas após consultas a quatro grupos-chave: Comissão do Censo; Comissão Técnica; Grupo de Especialistas; e Órgãos Internacionais, sem prejuízo da discussão contínua entre as áreas técnicas da Instituição”.

Ministro cobrou ‘auto sacrifício’

Durante a cerimônia de posse da nova presidente do IBGE, Susana Cordeiro Guerra, no dia 22 de fevereiro, o ministro da Economia Paulo Guedes, que a indicou, já havia adiantado o pedido de “simplificar o Censo”.

Na ocasião, Guedes disse que o mapeamento da população brasileira precisa conter apenas o essencial em seu questionário. "Porque o Censo de países ricos tem dez perguntas. O Censo brasileiro tem 150. E o Censo do Borundi tem 360 perguntas", afirmou o ministro.

No mesmo discurso, Guedes criticou o fato de o IBGE possuir três sedes no Rio de Janeiro e defendeu a venda de ativos do instituto como forma de “auto sacrifício” para alavancar recursos para o Censo.

"O Censo é importante. Nós precisamos tentar avançar. Vou pedir o desafio da gestão: façam o auto sacrifício, vendam o seu prédio. Venda e ao invés de ficar com vista para o mar juntem-se ao grupo em algum lugar. Não pode faltar dinheiro para o Censo e sobrar para prédio”, declarou o ministro.

Maior mapeamento da população

Segundo o IBGE, o primeiro mapeamento oficial da população brasileira foi realizado em 1872, quando foi denominado Censo Geral do Império. No começo daquele século, precisamente em 1808, porém, já havia sido realizado outro recenseamento no país, mas que atendeu especificamente a interesses militares, de recrutamento para as Forças Armadas.

O IBGE foi criado somente em 1936. Quatro anos depois ele começou a realizar o Censo. O primeiro foi feito em 1º de setembro de 1940, que correspondeu ao quinto censo da população.

Com periodicidade decenal, ou seja, realizado a cada dez anos, o Censo Demográfico tem abrangência nacional. Ele apresenta dados detalhados sobre a população brasileira, que são divulgados para Brasil, Grandes Regiões, Unidades da Federação, Mesorregiões, Microrregiões, Regiões Metropolitanas, Municípios, Distritos, Subdistritos e Setores Censitários.

A última edição do Censo foi realizada em 2010. O IBGE estima que, desde então, a população tenha aumentado em cerca de 10,4%.

Comentários

Questão Brasil - 09/04/2019