Quem é Gustavo Bebianno, a primeira (e perigosa) baixa de Bolsonaro

Presidente do PSL entre janeiro e outubro de 2018, Bebianno está no centro do esquema de candidaturas laranjas do partido
Gustavo Bebianno está perto demais de perder a chefia da Secretaria-Geral da Presidência da República. Depois de uma reunião com ele com o vice Mourão, na noite desta sexta 15, o presidente preferiu dispensá-lo. A exoneração deve ser publicada na segunda-feira.
Embora tenham havido alguns recuos em nomeações, Bebianno será a primeira baixa ministerial do governo. O rompimento também é o primeiro dentro do núcleo mais próximo a Bolsonaro, e pode provocar uma reação em cadeia: o aliado guarda várias informações das quais Bolsonaro certamente não quer ser lembrado.

Presidente do PSL entre janeiro e outubro de 2018, Bebianno está no centro do esquema de candidaturas laranjas do partido revelado pela Folha. Ele autorizou de próprio punho a transferência de 400 mil reais a uma candidata de Pernambuco.

A relação de Bebianno com o presidente não se explica com associações fáceis: Bebianno não é parente, não é militar e também nunca ocupou qualquer cargo político. Membro da concorrida banca de Sergio Bermudes, o advogado conheceu o ‘mito’ em 2017, e se ofereceu para atuar de graça em processos contra ele.

Encantando pela jornada quixotesca de Bolsonaro rumo à presidência, tomou a frente da campanha, assumindo interinamente a presidência do PSL. Dividiu com Carlos Bolsonaro o posto de “cão de guarda” durante as passagens hospitalares de Bolsonaro desde o atentado à faca.

Fritado publicamente por Carlos Bolsonaro e, depois, pelo pai, Bebianno retribuiu pisoteando a autoridade do presidente: disse que só sairia do cargo se o presidente determinasse. A exemplo do que ocorreu no episódio da direção da Apex, ao forçar a permanência, terminou caindo.

Farpas virtuais
Na sexta, Bebianno deixou um recado controverso nas redes sociais. O texto postado pelo advogado diz que “a lealdade é um gesto bonito das boas amizades. Só consegue ser amigo, quem aprende a ser leal.” Em outro trecho, diz: “Uma pessoa leal, sempre será leal. Já o desleal, coitado, viverá sempre esperando o mundo desabar na sua cabeça”.

O núcleo mais próximo dos filhos reagiu diferente. Filipe Martins, assessor internacional da Presidência, comemorou a queda de Bebianno – e a vitória de Carlos Bolsonaro – compartilhando versos bíblicos sobre o valor dos filhos.

Comentários

Questão Brasil - 09/04/2019