Flávio, Eduardo e Carlos, os 'pitbulls' de Jair Bolsonaro

Eles não fazem parte do governo, mas sua influência é tanta que já causaram a exoneração de um ministro. Os filhos do presidente Jair Bolsonaro exercem um poder paralelo inédito na história política brasileira, o que incomoda muita gente.
Resultado de imagem para filhos do Presidente
Apelidado de "pitbull" por seu próprio pai, Carlos Bolsonaro, de 36 anos e o segundo filho do presidente, conseguiu que o ministro Gustavo Bebianno fosse demitido.

Trata-se do primeiro membro do governo a ser destituído, depois de apenas 49 dias à frente da Secretaria Geral da Presidência.

Carlos Bolsonaro, vereador pelo Rio de Janeiro, na semana passada deu o golpe de misericórdia a Bebianno através de tuíte, no qual o chamou de mentiroso.

Bebianno, ex-presidente do Partido Social Liberal (PSL), a formação do presidente e de seus três filhos, era considerado um dos homens de confiança do presidente de direita.

Mas na semana passada ele se envolveu em um suposto esquema de candidatos "laranjas" para receber fundos eleitorais durante as eleições legislativas de outubro. Para tentar minimizar a crise, Bebianno disse ter falado várias vezes com o presidente desde a revelação do escândalo.

Carlos Bolsonaro, encarregado da estratégia de seu pai nas redes sociais durante a campanha eleitoral de 2018, aproveitou a ocasião e negou no Twitter qualquer contato entre o ministro e o presidente, apresentando como prova uma gravação em que Bolsonaro, internado na época, diz ao seu ministro que não poderia atendê-lo.

A destituição de Bebianno chegou na segunda-feira, prejudicando a imagem do governo.

- Brutus ou Richelieu -

O confronto começou meses antes, quando o chamado "Zero dois" pelo presidente recebeu mal nas redes sociais a nomeação de Bebianno para uma das posições-chave da presidência.

"Tendo obtido esse resultado, pode-se dizer que ele (Carlos) marcou pontos nesse jogo. Mas o governo perdeu mais pontos, porque ficaram expostas crises internas", afirma Geraldo Monteiro, cientista político da Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

O governo de Bolsonaro é composto por vários núcleos heterogêneos "que trabalham com diferentes lógicas e defendem seus próprios interesses", afirma.

O gabinete inclui os militares (oito de um total de 22 ministros), economistas ultraliberais, políticos ultraconservadores em assuntos sociais e figuras mais experientes na política, como Bebianno, cujo papel era facilitar o diálogo com o Congresso.

Mas, segundo Monteiro, "o núcleo familiar é o que goza da maior confiança por parte do presidente", embora não esteja presente no governo.

O famoso autor Ruy Castro escreveu no jornal Folha de S. Paulo que Carlos Bolsonaro, que se considera talvez "um Richelieu", eminência parda do rei francês Luis XIII, "lembra Brutus", o protegido de Júlio César que contribuiu para a queda do líder romano.

- Seguidor de Steve Bannon -

O estilo de Carlos é agressivo - ele não hesita em tratar os meios de comunicação como "porcos" - e, segundo o jornal O Globo, que estudou 500 de seus tuítes, 72% continham ataques desse tipo.

No entanto, ele não é o único filho do presidente que gera polêmica.

O primogênito Flávio, senador de 37 anos, anda discreto devido às suspeitas de irregularidades financeiras próprias e de um ex-conselheiro que quase ofuscaram o início do mandato de seu pai.

Mas o terceiro filho de Bolsonaro, o deputado Eduardo Bolsonaro, 34 anos, é tão ativo quanto Carlos nas redes sociais. Sua área preferida é a das relações internacionais.

Acredita-se que tenha muito a ver com a controversa escolha de Ernesto Araújo, um político pró-Donald Trump, como ministro das Relações Exteriores.

No início de fevereiro, Steve Bannon, o ex-estrategista do presidente dos Estados Unidos, o escolheu como um dos líderes do "The Moviment", uma fundação que busca reunir as direitas populistas mundiais.

"Se não houver da parte do presidente ou de alguém do governo uma espécie de enquadramento do núcleo familiar, vai ser uma fonte permanente de tensão", aconselha Geraldo Monteiro.

Mas Sérgio Praça, professor da Fundação Getúlio Vargas, considera que Jair Bolsonaro não sofre a influência de seus filhos, e sim usa sua forte presença nas redes sociais a seu favor.

"É possível que eles estejam acostumados a transmitir mensagens que o pai deles não tem coragem de comunicar", conjectura.

"Isso representa um grande risco para o governo: como os políticos podem chegar a acordos com Bolsonaro com confiança se temem ser apunhalados pelas costas por um de seus filhos? Nunca vi nada igual", conclui o professor.

Flávio Bolsonaro tomou chá de sumiço quando eram recolhidas assinaturas para a CPI da Lava Toga no Senado e, assim, não contribuiu para tirar a cúpula do Judiciário do caminho da renovação da política prometida por seu pai e seu partido ao eleitor. Seu irmão Carlos, que não dá ao pai, o presidente Jair, um segundo de solidão, sossego e meditação, pois está sempre a seu lado, acaba de criar uma crise em pleno Palácio do Planalto.
Como a saúva dos tempos de Monteiro Lobato, ou Bolsonaro acaba com sua filhocracia ou esta acaba com o governo dele e, em consequência, com o Brasil.
Flávio, Eduardo e Carlos, os 'pitbulls' de Jair Bolsonaro

Comentários