Após declarar que atacaria Bolsonaro, Bebianno volta atrás e diz: ‘o Brasil não merece isso’

A imagem pode conter: 2 pessoas, pessoas sorrindo
O ministro Gustavo Bebianno, da Secretaria-Geral da Presidência, diz que aguarda um desfecho de sua situação no governo para então “esclarecer a verdade”. Ele deve ser demitido por Jair Bolsonaro na segunda (18).
Bebianno tornou-se o centro de crise instalada no Palácio do Planalto depois que o jornal Folha de São Paulo revelou a existência de um esquema candidaturas laranjas do PSL, presidido pelo ministro entre janeiro e outubro de 2018.

“Eu não vou sair com pecha de bandido, de patrocinador de laranjais ou de traidor”, diz Bebianno, que pretende dar entrevistas à imprensa depois de deixar o cargo.

Ele nega, no entanto, que sairá disparando contra o governo. Coordenador da campanha presidencial de Bolsonaro, o ministro seria o detentor de segredos importantes que, revelados, poderiam abalar a permanência dele no comando do país.

Comentários

Questão Brasil - 09/04/2019