Depois de acusar Janot, Carlos Marun minimiza possibilidade de 3ª denúncia contra Temer

Depois de se reunirem com o presidente Michel Temer (MDB), no Palácio do Jaburu, neste domingo (1), líderes da base aliada no Congresso e o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun (MDB-MS), mostraram discurso alinhado sobre a possibilidade de a Procuradoria-Geral da República (PGR) apresentar uma nova denúncia contra Temer, a terceira em menos de um ano. Marun, o líder do governo no Senado, Romero Jucá (MDB-RR), e o vice-líder do governo, deputado Darcísio Perondi (MDB-RS), negaram que isso vá acontecer.

O mais enfático foi Carlos Marun. “Não existe terceira denúncia. Seguimos governando e não trabalhamos com a hipótese da terceira denúncia”, disse o ministro, antes de minimizar a possibilidade da investigação contra o presidente contaminar os trabalhos no Congresso. “Não acredito que o Parlamento volte fervendo em função de prisões para colher depoimentos. A ideia é que nesta semana seja votada a reoneração (da folha salarial) no Congresso”, completou.

Tido como um dos membros da tropa de choque do presidente Michel Temer, Perondi repetiu o discurso e afirmou que o risco de uma terceira denúncia é “baixo”. Conforme o deputado, é “óbvio que o presidente ficou feliz” com o fato de amigos seus, que haviam sido presos na Operação Skala, terem sido soltos ontem. O deputado ressaltou que a soltura diminuiu a tensão em torno do governo. “O presidente estava indignado, porque de novo construíram uma conspiração”, completou.