Aos 40 anos, dicionário 'Aurélio' é alvo de disputa judicial por coautoria



Nada de festas ou homenagens. No ano em que comemora seus 40 anos, o dicionário "Aurélio" se vê em meio a um impasse judicial milionário. A causa acaba de chegar ao STF (Supremo Tribunal Federal). 

Dois lexicógrafos da equipe de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira (1910-1989), autor que virou nome da obra, foram à Justiça pleitear a coautoria, pagamentos de royalties e percentual de direitos autorais. 

Iniciado há 11 anos, esse imbróglio, antes de seguir para o STF, teve um desfecho no STJ (Superior Tribunal de Justiça) em 18 de agosto, quando a corte deu ganho de causa aos herdeiros de Aurélio e ao Grupo Positivo, atual editora da obra, negando o pedido dos dois assistentes: Joaquim Campelo, 84, e Elza Tavares (1936-2010), representada por sua sobrinha, Ana Tavares. 

Entrevistado deste vídeo, Campelo foi pupilo do professor Aurélio a partir dos anos 50. Ele acompanhou a gênese do dicionário e os quiproquós para a obra ir ao prelo.


Comentários

Questão Brasil - 09/04/2019