Decisão do UFC quebra empolgação de Vitor Belfort e rende críticas ao MMA

A empolgação do brasileiro foi quebrada pela decisão do UFC, mas Vitor Belfort garantiu ontem que não desistiu por conta própria de enfrentar Chris Weidman no UFC 173, conforme noticiado por toda a imprensa internacional na madrugada desta sexta-feira. 

Em mensagem divulgada no Facebook, o atleta diz que foi "obrigado a desistir" em função da mudança de regras anunciada horas antes. 

A proibição do uso de tratamento de reposição de testosterona (conhecido pela sigla TRT) nas lutas regulamentadas pela Comissão Atlética de Nevada, na quinta-feira, levou o UFC a seguir essa medida e banir o procedimento em todas as suas lutas. 

Nesta sexta, a Comissão Atlética Brasileira de MMA (CABMMA) também adotou a proibição. "Nunca desisti de lutar no UFC 173 e nunca falei isso", escreveu Belfort, que afirma ainda que desistiu "do TRT, e não da luta". 

"O UFC decidiu colocar outro oponente em meu lugar pelo fato de eu não ter tempo hábil de me adequar às novas regras. Segundo o UFC, enfrentarei o vencedor de Weidman x Lyoto dentro dos novos regulamentos." O UFC não confirmou essa informação publicamente.
Leia mais: UFC: 'Desisti do TRT, mas não da luta', afirma Vitor Belfort - Esporte - Notícia - VEJA.com

Comentários

Questão Brasil - 09/04/2019