Menos papo, mais trabalho: a primeira semana de Mano no Corinthians

A primeira semana de trabalho do técnico Mano Menezes no Corinthians significou uma mudança de filosofia no comando do elenco. O estilo paternal de Tite e as constantes conversas com o elenco deram lugar a um treinador que, no primeiro encontro com os atletas, deixou claro que pretende manter em vigor tudo o que funcionou na antiga gestão, mas ao próprio estilo: mais calado e sem brechas para indisciplina. Como definiu o zagueiro Paulo André, “um sargentão” disposto a fazer com que o Timão dê a volta por cima.

A acomodação do elenco após conquistar cinco títulos em três anos era visível. Tite alterava o esquema tático, remanejava as peças, tentava inovar… Mas o Corinthians atravessou o Campeonato Brasileiro sem reagir. Terminou na décima colocação, longe da vaga na Taça Libertadores da América, objetivo traçado como “obrigação” pela diretoria ao início do torneio. Nesse contexto, Mano é visto como um “choque positivo”.

Antes do único treino desta sexta-feira, agendado para a tarde, o silêncio imperava no CT Joaquim Grava. As constantes movimentações de jogadores, concentrados desde segunda, nas instalações da casa alvinegra não aconteceram. Todos repousavam nos respectivos quartos. O motivo era o alto desgaste imposto pelos treinos físicos de Eduardo Silva, o Dudu, que chegou para trabalhar junto de Mano e cobrou muito dos atletas.
Leia mais: Menos papo, mais trabalho: a primeira semana de Mano no Corinthians | A TRIBUNA – O melhor jornal da região

Comentários

Questão Brasil - 09/04/2019