Confusão brasileira pode ir parar na Fifa e o Fluminense pode não rir por último

Tudo o que a Portuguesa tiver de direito, vamos atrás." Apesar das ameaças, o clube parecia convencido de que não pode cair na tentação de ir à Justiça comum - pelo menos não diretamente. "A Portuguesa pode não ir à Justiça, mas temos gente de nome e gabarito que pode ir, como permite o Estatuto do Torcedor", disse o cartola. Um torcedor ilustre da equipe, o maestro João Carlos Martins, já tinha entrado com processo num tribunal civil para tentar anular o julgamento de segunda antes mesmo que ele acontecesse.

O outro caminho possível para a Portuguesa também passa pela Fifa. É muito menos arriscado, mas também bem menos promissor. A entidade tem poderes para sobrepor as decisões tomadas por tribunais esportivos locais. Há algumas temporadas, por exemplo, o atacante Dodô foi absolvido pelo STJD depois de ser flagrado no exame antidoping, mas o jogador acabou sendo punido pela Fifa. Para aumentar as esperanças da Portuguesa, o Código Disciplinar da Fifa abre uma brecha que seria capaz de manter o clube na elite. O texto diz que, em caso de punição disciplinar, um clube pode ser punido com perda de pontos "num atual ou futuro campeonato" - conforme essa norma, portanto, os quatro pontos perdidos no caso Héverton poderiam ser deduzidos apenas na tabela do Brasileirão do ano que vem, preservando os resultados originais do campeonato deste ano.
Leia mais: Em ano de Copa, confusão brasileira pode ir parar na Fifa - Esporte - Notícia - VEJA.com

Comentários

Questão Brasil - 09/04/2019