Michel Temer defende Orlando Silva @Progressobrasil @qbtv @Jatai_go @Luziania_go @Reinaldo_Cruz #QuestaoBrasil



Rio de Janeiro – O presidente em exercício, Michel Temer, considerou hoje (19) que o ministro do Esporte, Orlando Silva, tem sido firme em sua defesa e recomendou cuidado com pré-julgamentos. Temer esteve na abertura da Conferência Mundial sobre Determinantes Sociais da Saúde, promovida pela Organização Mundial da Saúde (OMS).
Ministro dos Esportes Orlando Silva 

"O ministro tem sido muito firme em suas afirmações. Acho que temos de aguardar os acontecimentos. Não há como fazer nenhum pré-julgamento. É preciso aguardar todo o debate em torno da questão. Reitero que ele tem sido muito próprio em tudo o que afirma. Está muito convencido de sua posição."

Perguntado se haveria algum tipo de articulação política envolvendo outros partidos, incluindo o PMDB, visando à desestabilização do ministro, Temer foi categórico em negar. "[Essa possibilidade é] inteiramente falsa. Não há nenhuma mobilização político-partidária em torno disso. Ninguém disse que o acusador é desse ou daquele partido. [Não há] Nenhum envolvimento político-partidário."

O presidente em exercício também comentou a discussão em torno da redistribuição dos royalties do petróleo, envolvendo estados produtores e não produtores. "Acabei de conversar com o governador [do Rio, Sérgio] Cabral e a tendência toda do governo federal é buscar não prejudicar o estado do Rio de Janeiro. A União até já abriu boa parte daquilo a que tinha direito, mas as negociações continuam. Nós ainda temos muito tempo para não prejudicar o estado do Rio de Janeiro."

Temer considerou importante que a questão seja resolvida politicamente, para não abrir uma disputa jurídica. "Acho importante [não ir parar na Justiça]. Nós chegarmos a uma composição federativa é muito mais útil que discutir essa matéria no Poder Judiciário." O substitutivo do senador Vital do Rego (PMDB-PB) à proposta de distribuição dos royalties da exploração de petróleo deve ser votado na noite de hoje no Senado.


Fonte: Agência Brasil

Comentários

Questão Brasil - 09/04/2019